Praça 65, em Cidade Tiradentes, receberá tecnologia wi fi gratuita

A Praça 65, localizada na altura do número 2.100 da Avenida dos Metalúrgicos, é um marco histórico, social e cultural importante para o complexo habitacional Cidade Tiradentes. A começar pelo nome, já consolidado na memória dos moradores, pelo fato de que, a partir dos anos 1980, a “3765” – primeira linha de ônibus local –, passou a ligar o bairro ao Distrito de São Mateus.

A Praça também é o ponto ao redor do qual se estabeleceu o Conjunto Habitacional Santa Etelvina III, em 1984, ano usado pela Subprefeitura como referência para as comemorações do aniversário do bairro que, de acordo com essa referência, fará 30 anos no dia 21 de abril – homenagem ao inconfidente mineiro que lhe empresta o nome – de 2014.

Há, no “65”, como a Praça é conhecida “na intimidade”, uma pista de skate e uma quadra de esportes que dão ao lugar uma função multiuso, ocupado com muita regularidade não só por skatistas, jogadores de futebol e de basquete e moradores em geral, mas também pelos sambistas da Escola de Samba Príncipe Negro, por exemplo, que há anos realizam ali os eventos da Comunidade Samba da Praça.

No entorno funciona o Centro Cultural Arte em Construção, administrado pelo Instituto Pombas Urbanas, organização não-governamental dedicada principalmente a atividades teatrais, que, segundo estimativa dos seus gestores, recebe a visita de cerca de 40 mil pessoas por ano. Tudo Isso, somado à movimentada presença do comércio local, com muitos de seus personagens oriundos de regiões mais tradicionais da cidade de São Paulo, faz do 65 uma praça digital com valor adicional.





O investimento

O Programa Praças Digitais está em fase de testes em vários locais da cidade de São Paulo, e prevê investimentos de R$ 45 milhões em três anos para a criação de 120 pontos de acesso com internet sem fio gratuita e velocidade mínima de 512 kbps.

O Secretário Municipal de Serviços disse que a Praça 65 (Cidade Tiradentes) também irá receber o serviço. Ele comparou a instalação do serviço no bairro com a oferta de wi-fi gratuito na Praça Dom José Gaspar, no centro, onde o serviço teve uma média de 316 acessos por dia no mês de agosto. Para o Secretário, essa média deve aumentar no extremo leste da cidade.

Os testes iniciais vão servir para orientar a instalação das demais praças digitais previstas, como a Praça Roosevelt, a Praça da República, o Parque Ibirapuera e a Praça do Terminal Metalúrgicos, esta última também em Cidade Tiradentes.

Atualmente, a maioria dos usuários se conecta à internet através dos celulares, contudo a Prefeitura cogita no futuro que o Projeto Praças Digitais possa também emprestar tablets, além de oferecer um quiosque com terminais de acesso. Estão previstos investimentos de R$ 15 milhões por ano para os prestadores de serviços do programa, que deverão ser contratados por de 36 meses, com possível renovação por mais 12 meses.





Deixe seu comentário